Entenda a letra de Águas de Março

July 27, 2017

 

Caros leitores.
 
Tudo bem com vocês? Eu espero que sim.
 
Hoje nós vamos desvendar o que Antonio Carlos Jobim estava dizendo quando fez a música "Águas de Março".

Mas antes, o pessoal da Discoteca Store lançou a camiseta águas de março, e os leitores do Site Discoteca ganham descontos. Basta inserir o cupom de desconto LeitoresDiscoteca que você ganha 5% de desconto na aquisição dessa linda camiseta.

 

 

 

 

Olá que legal, você anda com uma camiseta tudo a ver com você, de excelente qualidade e ainda ajuda a gente a continuar trazendo conteúdo do universo musical para você.

 

Então não perca tempo e corre lá na www.discotecastore.com.br e compre a sua.


Primeiramente precisamos entender o contexto da vida de Tom Jobim quando ele fez a canção.
 
É de conhecimento de todos (ou quase todos) que muitos músicos sofreram repressão dos militares no Brasil durante o período da ditadura, mas Tom Jobim quase nunca é citado entre tantos outros. Na verdade, Tom sofreu uma única perseguição política em sua vida, tudo aconteceu porque o Tom e outros artistas assinaram um manifesto e se retirarão do Festival Internacional da Canção, da Rede Globo. No total foram doze artistas detidos durante algumas horas para interrogatório. Segundo relatos dos detidos, um dos diretores da emissora esteve presente na situação para persuadi-los a voltarem atrás e participarem o festival, porém não obteve sucesso.
 
Depois do fato, Tom foi intimado várias vezes a prestar depoimentos, teve o seu telefone grampeado e suas cartas, violadas.
 
Anos depois, Tom disse que a situação foi resolvida de forma "bastante brasileira", quando um escrivão de polícia solidário o chamou e disse: "Olhe, o senhor não queira se meter com polícia... Isso aqui não é bom. Negócio de polícia não é bom. Vou bater um negócio aqui para o senhor...Este papel aqui diz que o senhor não teve intenção".
 
Mas além dos militares, outra coisa assombrava Jobim durante o período que a música foi composta.
 
Em uma entrevista para a revista PlayBoy, tom afirmou que na época em que compôs águas de março o médico lhe disse que iria morrer de cirrose. Segundo palavras do compositor e de outros artistas próximos, Tom sentia que ninguém escutava mais os seus discos, bebia muito, não tinha nada para fazer, parecia que tudo tinha acabado para ele. Sua irmã, Helena Jobim afirmou que o irmão brincava naquele período que temia encerrar a carreira "aos 80 anos, cantando 'Garota de Ipanema', num circo do interior e sendo vaiado".
 
Sabendo desse cenário, vamos a letra de fato.
 
Águas de Março começou a ser composta por Tom em março de 1972. Acompanhado por seu violão, em seu sítio, localizado em Poço Fundo, em São José do Vale do Rio Preto região Serrana do Rio de Janeiro. Jobim teve um dia de muito trabalho, pois na época ele estava trabalhando no seu álbum "Matita Perê" (futura parceria com Paulo César Pinheiro), de onde decorrem os primeiros versos "é pau, é pedra, é o fim do caminho".

Sabendo desse cenário, vamos fazer um exercício de imaginação.
 
Imagine que você é o Tom, depois de um dia cansativo de trabalho, desanimado com a vida e com medo de morrer, senta em uma cadeira em uma varanda de casa de sítio, e começa a cantar o que você está vendo e pensando:

 

É pau, é pedra, é o fim do caminho (Tom com medo de morrer)
É um resto de toco, é um pouco sozinho (Ninguém escuta seus discos)
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte (fim de tarde), é o laço, é o anzol
É peroba do campo, é o nó da madeira (casa de sítio)
Caingá, candeia, é o Matita Pereira (o nome do disco que ele trabalhou o dia inteiro)
É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira
 
É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira
É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de atiradeira
É uma ave no céu, é uma ave no chão
É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão
 
É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto, o desgosto, é um pouco sozinho (Verso bem claro sobre seus pensamentos)
É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
É um pingo pingando, é uma conta, é um conto
É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
É a luz da manhã, é o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
 
É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato, na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração
 
É uma cobra, é um pau, é João, é José
É um espinho na mão, é um corte no pé
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

 

Em resumo, águas de março é uma descrição de elementos que Jobim via no ambiente rural com o sentimento que ele estava vivendo na época.
 
Bom galera, sabendo desse cenário e fazendo esse exercício, eu espero ter melhorado ainda mais a incrível experiência que é escutar esse clássico da música brasileira.

 

Eu quero saber a opinião de vocês, deixem nos comentários e não se esqueça de se inscrever no nosso canal do youtube.

 

Um beijo e até a próxima.

 

Tchau!

 

 

Please reload

Posts Recentes
Please reload